© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Antonio Augusto Brito

Guerra e Paz


Exposição Guerra e Paz, de Candido Portinari / divulgação

Obra-prima de Portinari foi pintada em Botafogo

Um dos maiores artistas plásticos brasileiros, o paulista Candido Portinari recebeu, em 1952, uma encomenda do governo brasileiro. Ele deveria pintar uma obra que seria presente do Brasil para a sede da Organização das Nações Unidas, em Nova York. O tema escolhido pelo artista foi Guerra e Paz*, que seria representado em dois painéis. “Não há na natureza algo que grite mais alto ao coração do que as guerras, as tragédias provocadas pelas injustiças, pela desigualdade e pela fome", dizia Portinari.


Pelas características monumentais do trabalho – a pintura, composta de 28 telas de 5m x 2,20m cada, deveria ocupar uma área total de cerca de 280m² –, Portinari precisaria de um espaço amplo, com pé direito alto, para trabalhar os 180 esboços, e depois pintar e montar o conjunto nos dois painéis com 10m x 14m cada.

Foi escolhido um antigo estúdio da TV Tupi, mais tarde transformado em depósito, na rua Paulino Fernandes 39. Durante quase quatro anos, o artista e seus assistentes trabalharam naquele endereço.

Surgiu uma dificuldade adicional. Após uma hemorragia, Portinari foi proibido por médicos de voltar a pintar. Os metais pesados encontrados na composição das velhas tintas a óleo estavam intoxicando o artista, que, obviamente, ignorou a recomendação médica e continuou o trabalho até o fim.

Em 1956, quando a obra foi concluída, os cariocas foram os primeiros a admirá-la em uma exposição no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. A inauguração no prédio da ONU só aconteceu no dia 6 de setembro de 1957. O artista, notório membro do Partido Comunista Brasileiro, foi impedido de viajar aos EUA para a inauguração.

Assim como hoje, eram tempos de guerra mais do que de paz. Mas a obra-prima de Candido Portinari continua lá no prédio da ONU a nos lembrar dos horrores da guerra e a apontar para a esperança de um mundo de paz.

* Na obra, formada por várias figuras sobrepostas, Portinari retratou a guerra com cores frias – azul é a cor predominante – apresentando a dor, o sofrimento, o desespero e o medo. Já a paz é apresentada em cores leves: a inocência das brincadeiras infantis, o valor do trabalho, a mistura de diferentes povos e a solidariedade humana. Candido Portinari considerava Guerra e Paz sua obra-prima: “Os painéis representam, sem dúvida, o melhor trabalho que eu já fiz. Dedico-os à humanidade”.

Candido Portinari

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

Outras histórias

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

A infância em Botafogo de Luís Carlos Prestes

#botafogo #candidoportinari #guerraepaz

82 visualizações