© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Antonio Augusto Brito

Ziriguidum em Botafogo


Monsueto e Elza Soares em cena do filme Briga, mulher e samba

“Monsueto já morou em Botafogo, num cortiço da rua Sorocaba 518”, avisa Mauro Duarte Filho, de uma das mesas do bar da Adelina, dando sua contribuição para a crônica desta semana. Afinal, quem sou eu para duvidar do filho de um dos maiores sambistas do bairro, que virou até nome de praça?

Para quem nunca ouviu falar em Monsueto Campos de Menezes, vou resumir: ele foi sambista, cantor, compositor, instrumentista, ator cômico, showman e pintor, que atualmente seria considerado um verdadeiro artista multimídia. Monsueto foi um gênio criativo que nasceu na extinta Favela do Pinto, no Leblon – onde hoje fica o conjunto de prédios conhecido como “Selva de Pedra”.

Como compositor, Monsueto emplacou vários sucessos na década de 1950. O primeiro deles, em 1952, foi Me deixa em paz, em parceria com Airton Amorim:

Se você não me queria Não devia me procurar Não devia me iludir Nem deixar eu me apaixonar

Evitar a dor É impossível É muito mais Você arruinou a minha vida Me deixa em paz

A música foi regravada por Milton Nascimento e Alaíde Costa, no álbum Clube da esquina; e pelo grupo MPB-4, no álbum Antologia.

Em 1954, Monsueto voltou ao topo das paradas musicais com A fonte secou, parceria com Raul Moreno e Marcléo:

Eu não sou água Pra me tratares assim Só na hora da sede É que procuras por mim A fonte secou Quero dizer que entre nós Tudo acabou

No ano seguinte, seria a vez de Mora na filosofia, de Monsueto com Arnaldo Passos:

Eu vou te dar a decisão Botei na balança E você não pesou Botei na peneira E você não passou Mora na filosofia Pra que rimar amor e dor

Mora na filosofia foi regravada várias vezes, uma delas por Caetano Veloso, no álbum Transa.

Em 1956, mais um hitO lamento da lavadeira, parceria com Nilo Chagas e João Violão – com um quê de crítica social:

Sabão, um pedacinho assim... Água, um pinguinho assim... O tanque, um tanquinho assim... A roupa um tantão assim...

Para lavar a roupa da minha Sinhá (bis) Para lavar a roupa da minha Sinhá (bis)

Monsueto era uma celebridade. Atuava em espetáculos musicais que corriam mundo.

Monsueto com Grande Otelo e Louis Armstrong

Também era presença constante na TV Rio, entre os anos 1950 e 1960, no papel do popular “Comandante”. Ele popularizou expressões como "castiga", “diz”, “ziriguidum”, "vou botar pra jambrar" e "mora".

No cinema, Monsueto trabalhou em 14 filmes – 11 brasileiros, três argentinos e um italiano.

No fim da década de 1960, Monsueto passou a se dedicar à pintura primitivista, participando de exposições e recebendo prêmios. Até o poeta chileno Pablo Neruda comprou um de seus quadros.


Um dos últimos trabalhos de Monsueto foi uma participação na gravação da música Tonga da mironga do kabuletê, em 1970, da dupla Toquinho e Vinicius de Morais. Eram tempos de censura, e Vinicius teve a ideia de fazer um desabafo “xingando em nagô” e, assim, quem sabe, passar pelo crivo dos censores. Para confundir ainda mais, convidaram Monsueto para interpretar um fanho, que dizia coisas ininteligíveis entre uma estrofe e outra. A música foi aprovada. Toquinho contou, mais tarde, que foi difícil terminar a gravação. “Monsueto era uma pessoa muito engraçada, discursava e não dizia absolutamente nada, falando coisas como se estivesse protestando. A gente não conseguia gravar porque todo mundo ria muito".

Monsueto Menezes morreu em 1973, aos 48 anos, vítima de câncer no fígado. Sua obra, no entanto, permaneceu e é revisitada por grandes nomes do samba, como Martinho da Vila e Paulinho da Viola, que, aliás, também morou em Botafogo.

Viva, Monsueto! E vamos de ziriguidum, que o carnaval já está chegando.

Rua Sorocaba 518. Um prédio foi erguido em lugar do cortiço onde viveu Monsueto

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

Outras histórias

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

#botafogo #monsuetomenezes #grandeotelo #louisarmstroing #toquinho #viniciusdemorais #elzasoares #elizethcardoso

84 visualizações