© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Curta Botafogo

Amor mendigo


No Brasil, adquire consagração literária não necessariamente aquele que se imortaliza ocupando cadeira na Academia Brasileira de Letras, mas o que inicia carreira ganhando o prêmio Jabuti.

Maior premiação literária do país, o Jabuti é editado há quase 60 anos, sendo Dalton Trevisan um de seus primeiros laureados. Clarice Lispector, Lygia Fagundes Telles, Rubem Fonseca, Chico Buarque de Holanda e Ignácio de Loyola Brandão, entre vários outros, também dele tiraram proveito.

E assim foi com praticamente todos os autores brasileiros, desde a criação do famigerado galardão literário.

A fúria do corpo, como o próprio título indica, é um rompante de brutal sensualidade, em que o gaúcho João Gilberto Noll – ganhador de cinco Jabutis – caprichara na descrição poética das cenas de forte paixão pelas praças públicas do Rio de Janeiro – cidade que escolhera para escrever alguns de seus mais importantes romances:

O Cego e a Dançarina saiu de um fôlego só. Eu o escrevi como um livro de contos, não eram histórias esparsas que eu já tinha. Aproveitei uma época em que estava desempregado, e morava no Rio de Janeiro, e me fechei para escrever.”

Noll, que um dia dissera:

“Minha literatura cultiva as forças excretoras do corpo. A urina. O esperma. Os fluxos menstruais. A própria merda. Nesse sentido, faço uma literatura muito materialista.”,

em A fúria do corpo – publicado quando já famoso pelo primeiro Jabuti –, utilizaria como cenário perfeito o Rio do glamour e do concreto, da droga, da prostituição, do carnaval, do michê, do homossexual e do Esquadrão da Morte, para expor mais uma vez seu protagonista sem nome:

“Eu quero falar de todo mundo e ninguém através desse meu protagonista que é sempre o mesmo homem. Ele vai continuar comigo. Ele habita em mim. Se ele se for, eu vou junto.”

Agora desocupado, maltrapilho e transfigurado em mendigo, o personagem de Noll iria experimentar uma vida encardida, envolvido em angustiante e promíscuo conluio da carne com uma puta-mendiga chamada Afrodite. Mais tarde, o premiado autor de O quieto animal da esquina, que vivera no Rio por 22 anos – e que morrera em Porto Alegre em março, aos 71 –, reconheceria:

“Trato de mendigos, mas não estou interessado em documentar ou usar a mendicância carioca, (...). A mendicância ali é simbólica, é a depauperação humana e a necessidade de suplantá-la através de um laço amoroso, que é conseguido, porque o romance tem final feliz.”

Neste seu segundo romance, Noll conferiu, com predisposição metafísica, luxo à miséria do amor, que bundeia – mas se lava – no infernal paraíso que permeia as orlas de Copa e Botafogo:

A fúria do corpo é um livro amorosamente muito bem-sucedido. É uma história de amor. Um casal de mendigos termina sob um chafariz na praia de Botafogo – um chafariz que existe mesmo –, brincando, em pleno jardim edênico.”

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

Artigos anteriores

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

#botafogo #joãogilbertonoll

48 visualizações