© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Curta Botafogo

A rua mais antiga de Botafogo


Vista do Caminho de Berquó, com o terreno do cemitério à direita e o Pão de Açúcar ao fundo

Imagine você: onde hoje fica a rua General Polidoro, no século XVI havia um caminho que acompanhava o curso de um rio, das encostas do Morro da Saudade, no Humaitá, até a Enseada de Botafogo. Por esse rio, no trecho de um quilômetro entre a praia e o local em que atualmente fica a rua Real Grandeza, navegavam canoas e pequenas embarcações a vela durante a maré cheia.

O caminho de Berquó, como era conhecido, foi a primeira rua do bairro de Botafogo. Assim como o rio Berquó, ele deve seu nome ao ouvidor – uma espécie de juiz a serviço dos donatários das capitanias – Francisco Berquó da Silveira. Ele era proprietário de uma chácara que ficava no terreno em que hoje está localizado o cemitério São João Batista.

Por esse caminho era escoada a produção de açúcar – o “ouro melado” – do Engenho D’el Rey, situado na lagoa de Sacopenapã – atual Rodrigo de Freitas, mais precisamente onde está o Parque Lage – até a Enseada de Botafogo. O engenho pertencia a Antonio Salema, governador do Rio de Janeiro. Já naquele tempo, política e negócios se misturavam.

Vista do Engenho D'el Rey

Séculos mais tarde, esgotado o ciclo da cana de açúcar, o caminho de Berquó voltaria a ter relevância por outra razão. O imperador Dom Pedro II enfrentava os problemas de uma cidade que crescera desordenadamente desde a chegada da corte real, em 1808. Não havia saneamento básico, a população vivia amontoada em cortiços, e doenças tropicais, como a febre amarela, dizimavam centenas de pessoas a cada verão. Uma das medidas sanitárias do imperador foi mandar instalar, em 1852, o cemitério São João Batista no endereço onde ficava a velha chácara Berquó. Em 1870, o imperador mudaria por decreto o nome do Caminho do Berquó para rua General Polidoro, em homenagem ao herói da batalha de Curupaiti, durante a Guerra do Paraguai.

Quanto ao rio Berquó, ele foi canalizado, entre 1903 e 1906, durante a gestão do prefeito Pereira Passos. Ainda existe e passa por baixo do cemitério indo desaguar na Praia de Botafogo. Com as águas do Berquó, desembocam também na baía esgoto in natura, resultado de inúmeras ligações clandestinas no bairro, e o necrochorume proveniente do solo contaminado do cemitério.

A Enseada de Botafogo – que, no passado, sediou inúmeras competições de remo e, por causa de suas águas calmas, foi usada como piscina de treino pela nadadora Maria Lenk – hoje é completamente imprópria ao banho.

Se o general Polidoro saiu vitorioso da Guerra do Paraguai, a poluição dos rios e da Baía de Guanabara, um dos mais belos cartões postais da cidade, é uma batalha que está longe de ser vencida.

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

Outras histórias

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

#botafogo #berquó #generalpolidoro #engenhodelrey #rodrigodefreitas #parquelage

932 visualizações